terça-feira, 23 de agosto de 2011

Artista do céu


por Eder Ferreira


Risco o grande céu com meu dedo

Desenho belas e cintilantes estrelas

Sem culpa alguma, sem nenhum medo

Na esperança de, talvez, um dia tê-las


Apago os quasares, crio nebulosas

Pinto de vermelho os aglomerados

Desviando as distâncias numerosas

Dos tempos e espaços acelerados


A aquarela celeste, a azulada pintura

Plagiando e recriando as constelações

Do leste ao oeste, a galáctica moldura


Misturando as tintas nesse negro gel

Retas, sentimentos, curvas e emoções

Torno-me o astronômico artista do céu

2 comentários:

  1. Lindo poema. Adoro esse conjunto de rimas.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita e pelo comentário. Volte sempre!

    ResponderExcluir